Sunday, October 11, 2009

Não precisa de título

Abri a porta do nosso quarto. Olhaste para mim e disseste que não gostavas de me ver com a barba por fazer. Eu sorri, aproximei-me de ti e abracei-te. Se soubesses há quanto tempo tento ser aquilo que tu queres. Acho que até perdi uma parte de mim pelo caminho. Porque tenho medo de te perder. Muito. Acho que se te perder não vou conseguir encontrar ninguém melhor. Acho que se te perder vou ficar sem chão. Acho que se te perder nunca mais vou conseguir ser feliz. Mas só se perde aquilo que se tem. E perguntei-me a mim mesmo se alguma vez te tive.

As minhas mãos desceram pelo teu corpo e tu murmuraste “Hoje não!”. Afastaste-te e eu fiquei ali a olhar para ti. Para os teus olhos. Já não encontrei aquele brilho pelo qual me apaixonei, mas quis-me enganar e pensar que as coisas podiam continuar a ser como quando nos conhecemos. Disseste várias vezes que eu era imaturo e que precisava de crescer. Enfrentar as coisas. Olhar para a frente e não para o chão. Deixar de ser indeciso, porque na vida não se pode ter tudo. Tem de se fazer uma escolha. Sim, é verdade que eu sempre fui indeciso, mas não em relação a ti. Sempre te quis, sempre soube que eras aquela que ia preencher aquela parte de mim que estava vazia. Deste-me sol quando estava chuva. Fizeste-me rir quando tinha razões para chorar. Ensinaste-me a desejar as coisas boas da vida. A ser ambicioso. Sonhador. Empreendedor. E eu fiz tudo o que foi preciso para te surpreender e mostrar que por ti, só por ti, as coisas valiam a pena.

Costumávamos ficar na cama até tarde. Quando eu acordava estavas a mexer-me no cabelo. Agarravas-te a mim e dizias que tinhas frio. Era aquele teu pretexto para teres os meus braços à tua volta. Sempre gostaste de te sentir protegida por mim. Mas as coisas entre nós já não são o que costumavam ser. Já não me beijas da mesma maneira. Não me abraças da mesma maneira. Nem tens vontade de me arrancar a camisa como adoravas fazer. Ficas confortável no teu frio e não precisas das minhas mãos para te aquecer. O teu isolamento fez-me pensar que se calhar não podíamos ficar juntos. Dei-te todo o espaço que precisavas e mesmo assim não estavas satisfeita. Ganhei coragem e perguntei se era só a barba por fazer que tu não gostavas em mim. Reviraste os olhos. De seguida, perguntei se era comigo que querias mesmo estar. Ficaste em silêncio. E foi nessa mesma noite que as coisas ficaram claras para mim. Estávamos juntos por comodismo. Porque eu conhecia os teus pais e tu conhecias os meus. Porque já tinha passado algum tempo e parecia mal deixares-me sem razão aparente. Estávamos juntos porque sim. Porque vivíamos aprisionados às memórias do que fomos juntos e não percebemos que com o tempo aquilo que nos unia mudou e tudo deixou de valer a pena.

15 comments:

MafaldaMacedo said...

mostras-te aqui um outro lado, e adorei, muito bom asério

Marta said...

brutal mesmo. um zé apaixonado

Marta said...

tu escreves o que eu sinto. obrigada por dares vida aos meus pensamentos :) o amor é foda!

Mariana said...

nao conheçia este seu lado romantico.é mt mau vivermos numa relaçao em que ja nao existe quimica,amor... nc devemos ficar com ng por comodismo,isso é impensavel para mim.vai ver que vai encontrar alguem que goste de si de verdade e ainda vai ser mt feliz no campo amoroso.

Jojozinha said...

Ze, é um optimo escritor! Continue! :)

Principesca said...

"O que preferes?
Que seja eu, a tua amiga colorida, a namorada, ou aquela que segues
com os teus olhos por onde me seguem os olhos dos outros?
Não me chames egoísta. Compreende que, se me tivesses, terias apenas
uma das mil formas da Mulher.
Que os meus olhos... e o meu corpo te fascinam apenas enquanto forem meus...
PORQUE INSISTES EM POSSUÍ-LOS?"

Lembrei-me destas palavras quando li o que escreveste. Confundimos por vezes o ter com o possuír, e quando achamos que algo é nosso por direito começa a verdadeira provação...
O amor é saber que cada um é um ser individual e juntos são um "nós". Boa sorte! :)

Susana S' said...

Em primeiro, eu quero realmente ir aos states ver um concerto deles, mas não me parece que vá tentar alguma coisa com o Gabe, não só pela quantidade de raparigas na lista de espera (hum e a namorada incluida xD) mas PORQUE ELE FEZ 30 ANOS!!! Visto que eu ando pelos 16, não me parece uma relação aceite pela sociedade.
EM segundo, este texto nem parece do teu blog. Uma outra parte do ZÉ. hum! Interessante (:

Beijinhó

Z. said...

Obrigado! Prometo que vou mostrar mais vezes este meu "lado desconhecido" ahaha ;) xx

Marta Albuquerque said...

Este post é um assombro de tão bom que está. E nem vale a pena dizer mais nada.

Munky_P said...

Zé d onde raio tiraste isto?!
Tou sem palavras :0 dpois tenho d falar ctg.

Bjs!!

The Teenage Royalty said...

I, LOVE. IT!

Rita said...

"O amor é um cão velho e tinhoso, porém obstinado, que nunca desiste. Abandonamo-lo no mato, para morrer de fome e de sede, para morrer de frio, porque queremos que morra, e dias depois ele está de regresso a casa, a abanar a cauda. Enxotamo-lo à pedrada, mas volta sempre"

(josé eduardo agualusa, "barroco tropical"

M.sunshine said...

mas que texto!

M said...

WTF is this?

Purple Petunias said...

"Tudo vale a pena se a alma não é pequena." Fernando Pessoa