Thursday, April 14, 2011

I met someone by accident who blew me away


Cheguei a casa cansado de um dia de trabalho. A camisa branca já vinha meio amarrotada e o colarinho aberto. Durante meses a fio senti a tua falta. Hoje não tenho bem a certeza porquê nem sequer me lembrei de ti. Quer dizer, estou a pensar agora devido ao facto de não o ter feito como sempre fiz desde que saíste de casa.
Sabes o que para mim é mais estranho? Conheceres-me como ninguém me conheceu até hoje. Sabes a cor do meu sangue, sabes como sou quando durmo, quando lavo os dentes, já sabes de cor o meu mau feitio matinal, que não gosto do leite quando fica muito tempo fora do frigorífico, conheces o meu corpo como conheces a rua da casa onde sempre viveste. E de um momento para o outro partes com um novo rumo, como se a intimidade que partilhámos fosse, sei lá, tão banal como uma conversa de café com um desconhecido.

Entretanto fui-me habituando a estar sozinho, depois de ti não foi fácil reconstruir a minha vida. Pelo menos da maneira que eu desejava. Não tenho a capacidade de suprimir sentimentos à velocidade com que tu o fazes. Talvez o meu sistema tenha uma cilindrada inferior à do teu.
Agora não sou capaz de amar, de gostar, de olhar com olhos novos. Deixaste-me um peso impossível de carregar, estou ancorado num sítio onde eu não quero estar, a uma memória que não quero protelar.
Soube há umas semanas que estavas feliz, que já tinhas alguém. Um substituto, é assim que eu prefiro ver a situação. Se bem que, sinceramente e modéstia à parte, eu acho que sou insubstituível. Mas espero que ele seja alto o suficiente. Inteligente que baste. Acredita, nunca vais encontrar ninguém que se equipare sequer àquilo que eu sou, a tudo aquilo que fui para ti.


Ainda sei a melhor forma de te magoar, mas também sei como te dar prazer. Sei que adoravas ter as minhas mãos em cima de ti, era isso que mais querias sentir quando eu chegava do trabalho. Desejavas-me de uma maneira tão forte que não te conseguias controlar. A tua respiração era incessante quando me beijavas, mordias-me o lábio, agarravas-me nos pulsos, cravavas as unhas e empurravas-me para o sofá, sentavas-te de joelhos em cima de mim, olhavas-me e dizias que me amavas, que nunca ninguém te tinha feito tão feliz. Eu sorria e retribuía ao puxar-te para mim.

Tudo isso me fez falta durante algum tempo. Demasiado tempo, para ser honesto. Fico satisfeito que estejas feliz, mas na dúvida se és mais feliz agora ou quando estavas comigo. Alguém que fique em termo de comparação comigo, sai certamente a perder. Tu sabes disso, acho eu. Adorava que um dia te arrependesses, gostava que pelo menos tivesses uma recaída, para eu sentir a força da droga que fui para ti. Adorava ainda mais ser orgulhoso o suficiente para não ceder. Para te desprezar. Já resultou noutras situações. E mais do que ninguém tu sabes quando eu digo “não” e quero dizer “sim”, sabes quando digo gosto e na realidade não gosto. Portanto, mesmo que me contivesse ias perceber. De qualquer forma, sentir-me-ia vencedor se te resistisse neste jogo de hipóteses que agora formulo. De facto, só serviu para perceber que, apesar de ter chegado a casa e não me ter lembrado que te podia ter à porta à minha espera, continuas a não sair do meu subconsciente. E sabes o mais irritante no meio de tudo isto? Eu não saber se se passa o mesmo contigo.

24 comments:

Jojozinha said...

Zé...

(nem tenho palavras!)


Está perfeito!

lastminutedreams said...

está tão i n t e n s o. Mesmo o tipo de palavras que gosto de ler... a descrição dos sentimentos, o amor. Escreve um livro! De certeza que ia ser daqueles que lia em todo o lado, quando acordava, no comboio...e quando acabava ia sentir aquela sensação (que não há melhor no mundo) de: é isto mesmo. Este é o livro!!
adorei Zé, you are the best!!!

Fábio Paulos said...

muito intenso, o amor é tão complicado.

Patrícia Silvério said...

Adorei a intensidade do teu sentimento! Gostei do que li... percebo-te porque também já passei por uma fase assim! a vida ensina-nos muito e eu acredito que tudo tem uma razão de ser. E todos os actos que cometemos, bons ou maus, tem consequências!
Quando a dor passar e encontrares alguém, vais ser feliz:)

Lucyana Mendes said...

Há pessoas que passam uma vida inteira sem saber o que é o Amor. Prefiro mil vezes amores assim, vividos. Este texto está magnifico, parabéns*

http://fashionviktima.blogspot.com/

Ivânia Santos (Diamond) said...

Fiquei sem palavras! wooow :0

ÉS FANTÁSTICO!!!!!


E serás, e mereces ser muito feliz!!


Beijo*

palavras na minha vida said...

= I N T E N S O =

adorei : )

Cats said...

Arrepiozinho.
E sabes que mais? Deste-me uma vontade enorme de escrever (coisa que nao faço ha cerca de um ano). Hoje serviste de inspiraçao a alguem ;)

Luisa T. said...

wow, isto está perfeito :o
concordo com a carolina, devias escrever um livro.
Adorei este texto!
xx

Betty Lee said...

Eu até me sinto mal ao comentar, como se estivesse a interferir em algo que não me diz respeito de forma nenhuma...

mas achei todo este post tão BEM escrito, tão fantástico, que não podia simplesmente ler e não dizer nada.

Muito, muito bom

bettywithlove.blogspot.com

XS said...

Vais ser muito mais feliz, quando abrires o coração e deixares entrar outra paixão! Acredita.

Txinha said...

Estou estupefacta. abismada.
Tu escreveste isso??
Escreve um livro.
VOU JÁ COMPRA-LO!
Escreve uns mil SFF

J said...

Fiquei completamente "apaixonada" por este post, está perfeito. A maneira como descreves, a intensidade! Está lindissimo!

Jairo said...

Adorei os looks. Encántame a camiseta de raias da primeira foto. Un saúdo

Camille said...

este texto está qualquer coisa de extraordinário, cheio de sentimento *.*

Sari said...

Está fantástico, parabéns.
Custa imenso, e acho que é impossível esquecer as memórias dum dia para o outro mas não nos podemos agarrar a elas. Mesmo que sejam fantásticas. Temos de criar outras.

cairs said...

perfeito. nem há muito mais a acrescentar!

Patrícia Mendonça said...

lindo!!! de tirar a respiração!

http://harajuku-cguia.blogspot.com/

Annissh said...

Aiiii adoreiiii :D

inesgante said...

"Passeava" distraidamente no teu blog quando li este post... a tua escrita prendeu-me (o que não é comum, nada comum!!)
A sinceridade, força e intensidade dessas palavras sustiveram a minha respiração!
Concordo com o que já disseram: escreve um livro ;) Tenho a certeza que iria ser genial

Rute Rosado said...

Zé, não querendo repetir o que já foi dito, o teu texto é extremamente intenso e apaixonado e não vou esconder que me tocou (o que não é nada fácil), mas o que mais me surpreendeu foi a inteligência expressa na tua escrita... Podia dizer "n" coisas mas vou abster-me porque sei o que sentes e sei que nada te fará sentir melhor, tem de partir de ti.
Um beijinho

Joaquim Ribeiro said...

bom texto. excelente texto.

o Amor tem destas coisas! dói que se farta mas nunca é demais amar...

Ana said...

Um texto que prende qualquer pessoa. Muito forte de facto.
Sabes o que pensava enquanto que o lia? Por um lado ficava feliz. Afinal os homens, ou pelo menos alguns deles, criam de facto algo dentro deles que os prende a nós. Algo que não é só sexo ou o hábito de ter alguém ao lado. Já vi muito e ouvi de muito nesta curta vida, mas o que me tem deixado entristecida e céptica nos últimos tempos é a facilidade com que vejo homens a magoar as mulheres, pura e simplesmente porque nem coragem para um "desculpa-me mas não dá mais, já não sinto o mesmo por ti" têm. Não falo por mim, atenção, mas a verdade é que tudo a que assisto me deixa com um medo enorme e com uma falta de fé absurda no género masculino.

Mas este texto mostrou que "eles andem aí":)
Por outro lado deixou-me triste. Se não são só as mulheres que sofrem, então somos muitos mais a sofrer. Força***

Tiago F. said...

Uma das minhas melhores amigas já me tinha falado do "teu" blog ... e eu que não sou de prestar atenção ao nomes no outro dia (ontem) fui dar por mim a ligar-lhe para lhe perguntar "Qual era mesmo o nome daquele blog???" e dei por mim e ver post atraz de post atraz de post ...

E não consegui parar até chegar a "este" ... é impressionante como por vezes as palavras não são suficientes para transmitir o que estamos a sentir quando passamos por uma desilusão de Amor ...

E hoje como que por coincidência tambem vi "aquele que eu achei em tempos que seria o verdadeiro Amor" e que eu realmente tinha encontrado o Amor da minha Vida. E vi esse dito "Amor" com o "meu substituto" como tu preferiste dizer (no teu caso) e realmente após ter lido estas tuas palavras ... fizeram todo o sentido ...

Tocou-me de uma forma que eu não estava mesmo á espera, pois conseguiste descrever tudo aquilo que eu senti e passei quando a porta desse amor se "fechou..." fiquei pasmo mesmo.

Parabens pelas tuas Palavras
e se ainda for o caso força aí !

Hugz